domingo, 21 de outubro de 2012

Verbo



VERBO
Verbo é a palavra variável que indica ação, um estado, uma mudança de estado, um fenômeno da natureza, indicando um processo localizado no tempo. É o que se observa em:
A Evellyn estudou para a prova                                               ação
Evellyn, Kelly e Keyla estão agasalhadas                                 estado momentâneo
A menina ficou doente                                                              mudança de estado
Mina é uma cadela                                                                   estado permanente
Choveu o dia inteiro                                                                 fenômeno da natureza

Há três conjugações, que são indicadas pelas vogais temáticas
1ª conjugação: AR (amar, falar, andar, estudar, brincar, etc.;
2ª conjugação: ER (vender, ter, comer, tecer, etc.;
3ª conjugação: IR (ir, partir, vir, dividir, ouvir, etc.
Classificação semântica dos verbos;
dinâmicos
Não dinâmicos

Verbos de ação: exprimem uma ação, um “fazer”; ler, comer, dançar, trabalhar


Verbos de processo: exprimem um processo, um “acontecer”

Verbos de estado: exprimem um estado, uma duração, uma permanência: estar, ser, ficar, permanecer, viver, morar.




Estrutura
As formas verbais apresentam três elementos em sua estrutura: radical, vogal temática e desinências:
Acess: tema
a: vogal temática
r: desinência    de infinitivo

Acessássemos:
á:    vogal temática 
sse:  desinência de tempo e modo
mos: desinência de pessoa e número (1ª pessoa do plural)
  

Elementos da estrutura dos verbos
Tema: é a soma da vogal temática com o radical:
Fala – r                       vive – r               parti – r
Vogal temática: é a vogal que designa a qual conjugação pertence o verbo:
1ª – a: ama – r
2ª – e: vive- r
3ª – i: feri - r

Desinências: é o elemento que designa o modo e o tempo (desinência modo-temporal), o número e a pessoa (desinência número-pessoal), em que o verbo é flexionado.
Exemplos:
Namorava: VA - desinência modo-temporal- caracteriza o imperfeito do indicativo.
Vendera: RA – desinência modo- temporal – caracteriza o mais-que-perfeito do indicativo.
Ouvirias: RIA – desinência modo-temporal – caracteriza o futuro do pretérito do indicativo.
Vendesse: SSE – desinência modo-temporal – caracteriza o imperfeito do subjuntivo.
Namorávamos: MOS – desinência número-pessoal – caracteriza a 1ª pessoa do plural.
Dissésseis: IS – desinência número-pessoal – caracteriza a 2ª pessoa do plural.
Ouviram: AM – desinência número-pessoal – caracteriza a 3ª pessoa do plural.
A desinência modo-temporal não está presente em todos os tempos verbais; alguns apresentam apenas a desninência número-pessoal, como ocorre no pretérito perfeito do indicativo: fica-ste, fica-mos.
Radical: é o elemento mórfico do verbo que encerra a sua sifnificação. É encontrado retirando-se as terminações ar, er, ir do infinitivo.
Exemplos:
Fal – ar         -          vend - er         -         part - ir
             Radical                                  Radical                                     radical
Formas rizotônicas e arrisotônicas
Formas rizotônicas: são aquelas em que a voga tônica se acha dentro do radical: cOmpro pEnsas, vEndem pArte.
Formas arrizotônicas: são aquelas em que a vogal tônica se acha fora do radical: comprAmos, pensAis, vendEis, partImos.
Modo: revela a maneira como o falante enuncia o verbo. São três os modos verbais.
1.      Indicativo: é aquele que indica uma ação verdadeira, um fato certo, real:
Ele viajou hoje.
2.      Subjuntivo: é aquele que indica uma ação duvidosa, hipotética, um fato incerto, um desejo:
É provável que ele viaje hoje.
Se ele estudasse, seria aprovado.

3.      Imperativo: é aquele que exprime ordem, pedido, convite, súplica, conselho ou desejo.
Venha depressa.
Seja feliz!
Não saia de casa.

Número: o verbo pode estar no singular ou plural, concordando sempre com o sujeito.

Eu aprendi tudo. (singular)
Nós aprendemos tudo. (plural)

Pessoa: indica o ser que praticou a ação expressa pelo verbo (1ª, 2ª ou 3ª pessoa):

Eu atravessei a rua. (1ª pessoa do singular).
Nós atravessamos a rua. (1ª pessoa do plural.
Tu atravessaste a rua (2ª pessoa do singular).
Vós atravessastes a rua (2ª pessoa do plural).

Vozes verbais

Voz verbal: é a relação existente entre o processo verbal e o sujeito daquele processo. São três as vozse do verbo:
·        Voz ativa: quando o sujeito pratica a ação expressa pelo verbo (sujeito agente).
A Evellyn faz a lição.
Nesse caso, a Evellyn é o agente da ação expressa pelo verbo, isto é, a Evellyn praticou a ação de fazer a lição.

·        Voz passiva: quando o sujeito sofre a ação expressa pelo verbo (sujeito paciente).
A lição é feita pela Evellyn.
No caso acima, a lição sofreu a ação de ser feita.

A voz passiva pode ser analítica (formada com um dos verbos: ser, estar, ficar) ou pronominal (formada com o verbo acompanhado do pronome “se”, que se chama, no caso, pronome apassivador).
A lição foi feita. (voz passiva analítica)
Fez-se a lição. (voz passiva sintética)

·        Voz reflexiva: quando o sujeito, ao mesmo tempo, pratica e sofre a ação expressa pelo verbo (sujeito agente e paciente).

A Evellyn se escondeu debaixo da escada.
Eu me cortei.
Observação: a voz reflexiva, no plural pode assumir sentido de reciprocidade.

Eles se cumprimentaram calorosamente.

O tempo é a categoria linguística que marca se um acontecimento é concomitante, anterior ou posterior a cada um dos momentos de referência (presente, passado e futuro), estabelecidos em função do momento da enunciação. (FIORIN, 2007)

Tempo verbal: São três: presente, pretérito e futuro.
Modo indicativo
Presente: marca fatos que se passam no momento em que falmos: A Keyla está dormindo.
O presente pode indicar ainda:
·       Ação habitual, costumeira ou possível: Eu vou à igreja aos domingos.
·       Uma verdade científica: A Terra gira em torno do Sol.
·       Dar atualidade a fatos ocorridos no passado: Em 1969, o homem chega à lua.
·       Um futuro próximo. Amanhã a Kelly vai à casa do Alexandre.

Pretérito: faz referência a fatos que ocorreram anteriormente ao momento em que falamos.  Pode ser:
Pretérito perfeito: indica uma ação que se realizou no passado:
Ontem, fui à casa de minha mãe.

Pretérito imperfeito: exprime um fator passado, mas sem torná-lo concluído, pode indicar uma ação habitual, durante um período de tempo no passado. É o momento que melhor atende aos propósitos da descrição.
Ele jogava bola aos domingos.
Eu vendia roupas naquela época.

Pretérito-mais-que-perfeito: exprime uma ação concluída antes de outra, também no passado, um passado anterior a outro passado. Há duas formas desse tempo verbal: a simples e a composta.
Quando cheguei, ela já partira.
Quando eu cheguei, ela já tinha partido.

O momento de referência, já tomado como pretérito, é “quando cheguei”. O pretérito mais que perfeito “partira” ou “tinha partido” indica um fato que ocorreu antes desse momento de referência.
Futuro do presente: indica uma ação que ainda vai acontecer depois do momento em que se fala.
Eu estudarei mais tarde.
Futuro do pretérito: indica uma ação que deveria acontecer se outra ação, que indica uma condição, fosse atendida.
Venderia carros, se soubesse fazê-lo.
Creio que ele ganharia o concurso.

Modo subjuntivo

O subjuntivo apresenta o fato de modo incerto, impreciso, dividoso. Normalmente é empregado em orações que dependem de outras (subordinadas).

Teríamos viajado se fizesse calor.

São tempos simples do modo subjuntivo: presente; pretérito imperfeito e futuro.

·        Presente do subjuntivo: é empregago nas orações subordinadas para expressar fatos ou futuros.
É justo que eles fiquem. (presente)
Desejo que todos compareçam. (ideia de futuro)

Em orações independentes, é utilizado para exprimir um desejo.
Deus me proteja.
Que a terra lhes seja leve!

·        Pretérito imperfeito do subjuntivo: indica uma ação passada, presente ou futura em relação ao verbo da oração principal.
Se neste momento eu tivesse coragem, contaria a verdade. (ideia de presente)
Mesmo que saísse antes, não teria chegado. (passado)
Ficaria feliz se ele fosse à minha casa. (ideia de futuro)

·        Futuro do subjuntivo: é empregado em orações subordinadas para indicar eventualidade no futuro.
Farei o trabalho se tiver tempo.

Formas nominais

O verbo possui três formas verbais chamadas nominais. São elas: o infinivo, o gerúndio e o particípio.
São chamadas de nominais porque exercem também a função de substantivos, adjetivos ou advérbios.

·        Infinitivo: indica a ação propriamente dita, sem situá-la no tempo e desempenha função semelhante à do substantivo. É a única que admite flexão de pessoa: impessoal ou pessoal:
É necessário agir. (infinitvo impessoal)
O importante era ficarmos em casa. (infinitivo pessoal)

Importante: o inifitivo pode aparecer relacionado às pessoas do discurso, e quando isso acontecer, ele chamado de infinito impessoal. Poderá ser conjugado, apresentando somente as desinências número-pessoais.

1ª conjugação
2ª conjugação
3ª conjugação
Falar eu
Vender eu
Partir eu
Falares tu
Venderes tu
Partires tu
Amar ele
Vender ele
Partir ele
Amarmos nós
Vendermos nós
Partirmos nós
Amardes vós
Venderdes vós
Partirdes vós
Amarem eles
Venderem ele
Patirem eles

O infinitvo pode ser reconhecido pela desinência “r”: amar - vender – partir

·        Gerúndio: forma verbal que indica uma ação em curso, duradoura e desempenha função semelhante à dos adjetivos e advérbios. Não apresenta flexão e pode ser recohecido pelas teminações ando (1ª conjugação); endo (2ª conjugação); indo (3ª conjugação).
Ela está passeando no parque.
Ela está abrindo o livro.

·        Particípio: forma fixa que não é conjugada; indica uma ação já acabada e desempenha função semelhante à dos adjetivos e admite flexão de gênero e número.
Conhecido o motivo, todos apoiaram a decisão.
Conhecidas as razões, todos apaioram a decisão.
Ela havia partido.

Observação: Alguns verbos apresentam duas formas de particípio passado. O particípio regular, formado pela terminação “do”, é usado com os verbos ter e haver. O particípio irregular, formado sem a terminação “do”, é usado com os verbos ser e estar.
O ladraão foi preso pelo policial.
O policial tinha prendido o ladrão.

Classificação dos verbos

Verbos regulares: não apresentam nenhuma modificação no radical ou na desinência seguindo rigorosamente o modelo de sua conjugação.
Observe os exemplos:
Andar                             ando, andas, andarei, andarás,...
Correr                            corro, corres, correrei, correrás...
Partir                              parto, partes, partirei, partirás...

Verbos irregulares: são aqueles que sofrem alterações no radical ou na flexão:
Ouvir                               ouço
Dizer                               digo
Perder                           perco

Verbos anômalos: são verbos que apresentam radicais diferentes no decorrer da conjugação, radicais primários diferentes: ser e ir.    
Ser: eu sou; tu és, ele é, nós somos, eu era, eu fui, eu serei.
Ir: eu vou, eu ia, eu fui, eu irei, que vós vades.

Verbos defectivos: são aqueles que não são conjugados em todos os tempos e pessoas. São verbos defeituosos, incompletos.
 São defectivos todos os verbos impessoais, isto é, os verbos que indicam fenômenos da natureza, como chover, nevar, ventar, amanhecer, colorir demolir, prevaver-se, reaver, falir, explodir, ruir, fundir, florir, etc.

Verbos abundantes: são aqueles que apresentamduas ou três formas verbais com o mesmo valor. Geralmente apresentam duas formas verbais no particípio.
Pagar: pagado e pago
Haver: vós haveis e vós heis
Nascer: nascido, nato e nado
Morrer: morto, morrido
Limpar: limpo, limpado
Gastar: gasto, gastado
Aceitar: aceito, aceitado
Entregar: entregue, entregado
Findar: findo, findado
Tingir: tingido, tinto

Verbos auxiliares: são aqueles que ajundam na formaçãop dos tempos compostos, da voz passiva e das locuções verbais.
Os verbos auxiliares mais usados são: ter e haver, nas locuções verbais; e ser e estar, na voz passiva.
Os tempos compostos são formados pelo verbo auxiliar (no tempo e modo que se quer conjugar), seguido do verbo principal em uma das formas nominais: infinitivo impessoal, gerúndio ou particípio.
Exemplos:
O mecânico teria consertado a máquina em uma hora.
Eu tenho de partir.
Ele não é amado.

Locução verbal: é a combinação de dois ou mais verbos com valor de um só verbo.
Exemplo:
O locutor vai anunciar o resultado do concurso.
O locutor anunciará o resultado concurso.
Veja que não há modificação de sentido em nenhuma das duas orações, porque a locução verbal vai anunciar tem o mesmo valor do verbo anunciará.

Verbos pronominais: são aqueles que podem ser conjugados acompanhados de um pronome átono. Esse pronome é parte integrante do verbo pronominal.
Exemplos:
Ela nunca se compadece de nada. (pronome obrigatório)
Eu não me atrevo a fazer isso. (pronome obrigatório)

Alguns verbos pronominais: atrever-se, compadecer-se, dignar-se, indignar-se, suicidar-se, zangar-se, esforçar-se, apiedar-se. (os pronomes são parte integrante do verbo e não terão função sintática).

Bibliografia

NICOLA. José de. Gramática: palavra – frase – texto. São Paulo: ed. Scipione, 2009
FIORIM. José Luiz (org). Introdução à linguística: II. Princípios de análise. São Paulo: ed. Contexto, 2007


            
















Nenhum comentário:

Postar um comentário